Acadêmicos Mater Dei criam soluções tecnológicas no Hackathon IoT

01/10/2018

Quando um grupo de pessoas de mentes criativas e cheias de energia se reúnem com o objetivo de resolver problemas em um período de 24h, os resultados podem ser incríveis! Assim é o Hackathon, uma maratona de resolução de problemas que encerrou as programações do Tecsul 2018 nesta sexta-feira (28) extendendo-se até sábado. Com o tema IoT para Indústria Metal Mecânica, a maratona aconteceu na sede da Fiep, em Pato Branco. Os times participantes são formados de perfil diverso: estudantes ou profissionais nas áreas de TI, design, comunicação/marketing, gestão/administração, exatas e também alguém da área específica do tema, no caso, a indústria. A maratona contou com a participação de diversos acadêmicos da Faculdade Mater Dei, que inclusive, sagraram-se vencedores entre as equipes com as três melhores ideias, segundo as bancas avaliadoras.

Ambiente de experimentação
Para Edson Mackeenzy, Facilitador do Hackathon e CEO da Mackwave Advisors & Venture Builder, o Hackathon é um lugar livre de julgamentos. "O que mais gosto no Hackathon é que cria-se um ambiente de experimentação para todos os envolvidos, sejam eles patrocinadores, participantes ou mentores. Normalmente, as pessoas no dia-a-dia não se permitem errar, observar ou aprender como em um laboratório. Então durante o Hackathon, nós conseguimos encarar os problemas de frente e experimentar formas alternativas de resolvê-lo", explicou Mackeenzy. Utilizada por grandes empresas como Uber e Facebook, o Hackathon é adotado como uma ferramenta de crescimento, e possui uma metodologia que se adapta às necessidades de cada maratona que, segundo Mackeenzy, "pode ser montado como se fosse um Lego, de diversas formas possíveis?. O tema desta edição foi a metal indústria, e foi organizada começando com um warm up, ou aquecimento, em tradução livre. Este conceito inicial serve para integrar os participantes para que eles se conectem, estimulando a criatividade dos participantes para que pensem de forma alternativa e "fora da caixa". Após isso, são formados os times que irão pesquisar e encontrar problemas, desenvolvendo protótipos funcionais que possam melhorar a relação metal indústria. Ao final da maratona, os participantes deveriam apresentar suas ideias para uma banca com profissionais do mercado que dão sua opinião sob critérios específicos: inovação, modelo de negócio, validação e o protótipo funcional.

Assessoria de Comunicação Grupo Mater Dei
Daiana Pasquim - Jornalista DRT/PR 5613 | Lucas Piaceski Agência PQPK